• Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • LinkedIn

Posts populares

  • Alto Verão da Fakini: diversão e estilo para os dias mais quentes

    Leia mais
  • Seja um revendedor da Fakini

    Leia mais
  • Fakini lança aplicativo com leitor de realidade aumentada

    Leia mais
  • Fakini fortalece atuação internacional em 2019

    Leia mais
  • Cor do ano Pantone: Living Coral na moda

    Leia mais
  • Barbie, a boneca mais famosa do mundo também está na Fakini

    Leia mais
  • Moda masculina Primavera/Verão: o que está em alta para adultos e crianças

    Leia mais
  • Fakini recebe grupo do SCMC

    Leia mais
  • Fakini projeta crescimento de 8% em 2018 e se mantém positiva para o próximo ano

    Leia mais
  • Os básicos da Fakini: estilo para quem gosta de peças mais discretas

    Leia mais
  • Como aumentar as vendas em uma loja de roupas infantil?

    Leia mais
  • Dica de estilo: mães e filhas combinando looks

    Leia mais
  • Fakini desenvolve caixas de papelão que viram brinquedos

    Leia mais
  • Fakini participa do evento O Negócio da Moda

    Leia mais
  • Cores Primavera/Verão: delicadas, vibrantes e para todos os gostos

    Leia mais
  • Fakini faz circuito de treinamentos de vendas da Coleção Alto Verão

    Leia mais
  • Moda infantil: qual é o estilo do seu pequeno?

    Leia mais
  • Fashionista teen: o estilo de Millie Bobby Brown

    Leia mais
  • Coleção Primavera Verão Fakini: estilo para os dias mais quentes

    Leia mais
  • Novas licenças Fakini: Barbie Dreamtopia e Hot Wheels

    Leia mais
  • Fakini tem novas empilhadeiras e estrutura de armazenamento

    Leia mais
  • Fakini adere ao projeto “Pra Cego Ver”

    Leia mais
  • Star Wars na Fakini: empresa tem licença para produção das roupas da saga

    Leia mais
  • A moda de Paris: luxo e pluralidade

    Leia mais
  • O estilo de Audrey Hepburn: muito além da Bonequinha de Luxo

    Leia mais
  • Responsabilidade socioambiental: PGRS na Fakini

    Leia mais
  • Elementos lúdicos na moda infantil

    Leia mais
  • Produção têxtil na Fakini: como a malha é feita?

    Leia mais
  • Fakini doa camisetas da sua coleção da Copa do Mundo para escolas de Pomerode

    Leia mais
  • A moda de New York, cidade que inspira tendências

    Leia mais
  • Unidade de produção EFE Taió completa 4 anos

    Leia mais
  • Tendências Inverno 2018: das boinas ao vinil

    Leia mais
  • Tendências da moda internacional: o que está em alta pela Europa

    Leia mais
  • Fakini Kids Inverno 2018: todo o encanto da neve

    Leia mais
  • História da costura: dos alfaiates à produção em massa

    Leia mais

Promoções e novidades sobre pontos e milhas. Receba gratuitamente:

Instagram

06/02/2019

Fakini fortalece atuação internacional em 2019

Diretor comercial, Francis Fachini. Foto: Daniel Zimmermann

Com capacidade de produção de mais de 1 milhão de peças/mês, a Fakini é, atualmente, uma das principais marcas têxteis do segmento infantil no Brasil – com pontos de vendas em todas as regiões do país – e, agora, expande mais ainda a sua atuação no mercado internacional. 

Entre as ações previstas para o ano, estão, por exemplo, o reforço dos canais de distribuição do Chile e do Uruguai e, ainda, a criação de uma operação comercial nos EUA. 

A seguir, a gente conta com mais detalhes cada uma dessas iniciativas comerciais que vêm por aí. Confira!

Reforço do comércio das peças Fakini no Chile e Uruguai 

Em 2018, a Fakini abriu novos canais de distribuição no Chile e no Uruguai. E, em 2019, a expectativa é de que eles sejam ainda mais reforçados. Para isso, Francis G. Fachini, diretor comercial da Fakini, explica que existem duas frentes de trabalho em desenvolvimento: uma é o atendimento direto a algumas redes ou cadeias de lojas e outra é a contratação de um distribuidor local, que possui vendedores que trabalham prospectando e vendendo a mercadoria em clientes menores distribuídos pelos países. 

Aliás, comercializar de forma consistente os produtos Fakini no Chile sempre foi um desejo da empresa, que já atuou no país, modestamente, em outras oportunidades. “Estamos agora em novas tratativas comerciais, para firmar uma parceria de distribuição para o mercado local. Ainda não podemos afirmar muito, pois o trabalho foi recém-iniciado. Já no Uruguai existem excelentes parcerias já instaladas e um trabalho de fornecimento junto a grandes cadeias uruguaias, além de um novo distribuidor recém-contratado para ampliar nossa atuação”, ressalta Francis. 

Em 2018, aproximadamente 2,5% das vendas da Fakini foram destinadas ao mercado internacional, sendo 60% delas destinadas ao Mercosul. Além do Chile e do Uruguai, a Fakini tem como parceiros comerciais o Paraguai, Panamá, Costa Rica e Equador.

O mercado nos EUA 

Para além do Mercosul, também existem planos de atuar no mercado norte-americano, em um formato de distribuição e e-commerce. “Em parceria com um escritório de Miami, já estamos avançando as aprovações e análises iniciais, para ainda em 2019 iniciarmos uma pequena operação comercial com o mais importante mercado consumidor do planeta. Ainda são estudos iniciais, mas que mostram a imensa potencialidade desse mercado”, afirma Francis. 

Vale ressaltar que a Fakini já atuou nos EUA na década passada, em um formato de private label, comercializando produtos de marcas americanas. Agora, o intuito é levar as marcas próprias e todo o mix de produtos da empresa para lá.

Crescimento projetado 

Além de iniciativas internacionais, também estão sendo desenvolvidas novas estratégias para potencializar as vendas aqui no Brasil. Entre elas, está a adequação do mix de produtos ao cenário econômico atual do país, a implementação de várias mudanças nos processos internos de fabricação – a fim de melhorar a qualidade do produto final e manter um preço supercompetitivo – e a melhoria da logística de distribuição, de forma a antecipar as encomendas e entregar ainda mais pontualidade aos clientes. 

Foto: Daniel Zimmermann

Com tudo isso – a ampliação do mercado internacional e estratégias mais assertivas no Brasil –, espera-se que o crescimento para 2019 seja de 10% a 15%. “Nossos últimos anos, apesar de toda a crise que nosso país enfrentou, foram de importantes crescimentos anuais. Então, neste momento, pretendemos crescer mais moderadamente e melhorar nossos processos internos, evoluindo nossa operação e produtos e, consequentemente, entregando um serviço melhor para nossos clientes”, afirma o diretor.